Como deseja realizar seu cadastro?
As respostas das consultas durante o período de testes serão fictícias, com o propósito único de demonstrar o funcionamento geral da ferramenta.

Brasil Cresceu 0,4% No 1º Trimestre

30 de maio de 2018

Brasil Cresceu 0,4% no 1º Trimestre, puxado em grande parte pelo agronegócioEvolução ocorreu em relação aos três meses anteriores. Na comparação com os três primeiros meses de 2017, crescimento foi de 1,2%.

A economia brasileira cresceu 0,4% no primeiro trimestre, em relação aos três meses anteriores, informou nesta quarta-feira (30) o IBGE.

  • Após a recessão em 2015 e 2016, o PIB cresceu 1% em 2017;
  • Neste ano, as projeções de analistas do mercado financeiro apontavam para um crescimento de 2,4%, com um aquecimento progressivo ao longo de 2018;
  • Mas as recentes turbulências provocadas pela:
  • alta do dólar;
  • e pela greve dos caminhoneiros, adicionaram incertezas a estas previsões.

Um processo de revisão de baixa deverá ocorrer nos próximos dias, após a divulgação dos números oficiais pelo IBGE.

No primeiro trimestre:

  1. o PIB cresceu 1,2% em relação ao mesmo período do ano passado;
  2. No acumulado dos últimos quatro trimestres, a expansão foi de 1,3%.

A projeção central dos analistas ouvidos pela agência Bloomberg para o resultado anunciado nesta quarta era de um crescimento de 0,3%, ante os três meses anteriores, e de 1,3% em relação ao primeiro trimestre de 2017.

Dessa forma, o número veio acima do que previam os economistas.

Carro-chefe do PIB, o consumo das famílias segue em letargia. Após um crescimento de 0,1% no quarto trimestre, subiu 0,5% nos primeiros três meses do ano.

a) A queda da taxa de juros para 6,5% ao ano trouxe condições mais positivas para a expansão do crédito;

b) Mas a rigidez na redução dos spreads bancários fez com que a baixa não fosse totalmente repassada ao consumidor;

c) o que ajuda a explicar a decepção com a reativação do consumo.

Este caldo de dificuldades para o consumidor, porém, pesou contra os serviços, que oscilaram 0,1% em relação ao quatro trimestre. Já ante o primeiro trimestre de 2017, os serviços oscilaram 1,5%.

O consumo do governo, limitado pela restrição dos gastos em meio ao ajuste fiscal, caiu 0,4% ante o quarto trimestre de 2017. Em relação ao primeiro trimestre do ano passado, caiu 0,8%.

O IBGE informou que o setor agropecuário registrou, novamente, números positivos neste primeiro trimestre, e cresceu 1,4% ante os três meses anteriores.

Os economistas já esperavam que a indústria pudesse cair neste início do ano. Após um ano de alta na produção industrial em 2017, o setor iniciou o ano estagnado.

No primeiro trimestre, o PIB da indústria oscilou 0,1% ante o último trimestre do ano passado, e teve alta de 1,6% em relação ao primeiro trimestre de 2017.

A construção civil, que é parte da indústria e também da conta de investimentos no PIB, cresceu em relação ao nível de atividade do fim do ano.

Os investimentos perderam fôlego, de uma alta de 2% no último trimestre do ano passado, eles registraram alta de 0,6% no primeiro trimestre (na comparação com os três meses anteriores). Em relação ao mesmo período do ano passado, os investimentos cresceram 3,5%.

I – O cenário não é de retorno à retração da atividade, avaliam economistas;

II – Mas o ritmo da retomada desaponta;

III – Incertezas no cenário externo, com a alta dos juros americanos;

IV – se somaram a turbulências no front doméstico;

V – mais recentemente com a greve dos caminhoneiros e os seus efeitos políticos.

VI – Isso afeta decisões de consumo e de investimento e torna mais débil o crescimento.

A taxa de investimento no primeiro trimestre marcou 16% do PIB, uma alta em relação ao primeiro trimestre de 2017, quando a taxa era de 15,5%. A taxa de poupança também subiu para 16,3%, contra uma taxa de 15,8% no primeiro trimestre de 2017.

O PIB do primeiro trimestre não piora, mas reforça a sensação de que a economia não está andando, na avaliação do economista Mauro Schneider, da MCM Consultores.

As reavaliações sobre o desempenho da economia pelos analistas, diz ele, deverão refletir não o número apresentado pelo IBGE, mas um cenário mais turvo no segundo trimestre e na segunda metade do ano.

“A greve [dos caminhoneiros] é a cereja do bolo, mas já estávamos vendo um ambiente menos favorável desde abril”, afirmou. “Obviamente, ainda não medimos os efeitos da greve, mas é um elemento a mais de perturbação, que traz incertezas sobre o que será da economia no resto do ano”.

Fonte: Folhapress