Como deseja realizar seu cadastro?
As respostas das consultas durante o período de testes serão fictícias, com o propósito único de demonstrar o funcionamento geral da ferramenta.

Competitividade Começa Por Área Comercial Estruturada

7 de junho de 2017

Competitividade começa por Área Comercial Estruturada, segundo o palestrante Ernani Desbesel.

“Ter operações rentáveis e seguras são os pilares básicos de uma empresa, mas para se alcançar estas duas condições há como pré-requisito ser competitivo”. Quem afirma é Ernani Desbesel, que ministrou em 31/05, na sede do Sindicato, o curso “Competitividade, Rentabilidade e Segurança para as Empresas do Setor”.

Segundo ele, obter essa condição ideal:

  • significa vender bastante;
  • e de forma adequada;
  • uma vez que sendo deficitário na área comercial;
  • dificilmente se alcança o sucesso.


Em contrapartida, quando se tem bom desempenho de vendas pode-se até ser mais seletivo em relação aos títulos comprados, eliminando com isso perigosas falhas de avaliação.

“Hoje, o maior erro das empresas é:

  1. negar operações que poderiam ser feitas;
  2. por falta de conforto decisório;
  3. e aceitar outras que deveriam ser barradas”, explicou Desbesel.


Isso acontece, de acordo com o especialista:

I – quando a gestão de risco é ineficaz;

II – e os departamentos de cobrança;

III – controladoria;

IV – comercial;

V – e operacional não municiam a área de crédito com as informações necessárias para a tomada de decisão.

Lições aprendidas

Para Kelly Cristina Rodrigues de Souza, gerente da FVN Fomento Mercantil, de Santos, foram extremamente válidas as orientações recebidas. “Estou adorando, está demais o curso, vou colocar em prática muitas das coisas mostradas aqui hoje”, assegurou.

Como exemplos ela cita:

a) as notificações e confirmações;

b) que já são feitas em sua empresa;

c) mas com alguns pontos que agora serão aprimorados para conferir mais segurança às operações.

Wagner Lechner Munduruca, sócio da paulistana WLM, também achou o conteúdo muito bom:

- “por auxiliar os colaboradores das factorings;

- securitizadoras;

- e FIDCs a abrir um pouco mais a cabeça para o mercado como um todo;

- priorizando a questão comercial, que representa o coração de qualquer negócio”, disse.

 

Fonte: Reperkut – Portal do Fomento.

Fale Conosco