Ligue agora, é grátis: 0800-041-5555 Seg-sex 08h30 às 18h00

STJ Ratifica Isenção de IR Sobre Lucro de Imóvel

STJ Ratifica Isenção de IR Sobre Lucro de Imóvel – 1a. Turma confirmou decisão sobre o mesmo tema tomada pela 2.ª Turma em outubro de 2016 e abre caminho para que mais cidadãos contestem a incidência do tributo. Nesta terça-feira (17), a 1.ª Turma do Superior Tribunal de Justiça (STJ) confirmou que é isento de imposto de renda o ganho de capital resultante da venda de imóvel residencial utilizado para quitar, total ou parcialmente, o financiamento de outro imóvel residencial. Com isso, o colegiado confirma a decisão sobre o mesmo tema tomada pela 2.ª Turma em outubro de 2016 e abre caminho para que mais cidadãos contestem a incidência do tributo sobre esse tipo de transação. Atualmente, as decisões do STJ representam apenas precedentes judiciais e, neste acaso, não alteram as normativas da Fazenda sobre o assunto, explica Paula Farias, advogada especialista em Direito e Negócios Imobiliários. “Com mais processos tratando do assunto, porém, possivelmente ter-se-ia um recurso repetitivo e, a partir de então, com a decisão do STJ a respeito do assunto, teríamos a obrigação de sua aplicabilidade em todo território nacional”, pondera a advogada. Outra possibilidade é que, a partir da decisão, a própria Fazenda ou o Congresso sinta-se estimulado a prover segurança jurídica para o novo entendimento.
  • Se por um acaso nem todo o valor do imóvel vendido for utilizado na quitação de outro;
  • aí sim, o IR sobre o valor não utilizado terá de ser recolhido;
  • isso deve ser feito dentro do que preveem as normativas da Receita Federal;
  • ou seja, dentro de 180 dias após a transação.

O caso de resultou no novo entendimento

Segundo a assessoria de imprensa do STJ, o que ocorreu nesta terça-feira (17) é que o colegiado da 1.ª Turma negou provimento a recurso da Fazenda Nacional por considerar ilegal a restrição imposta por instrução normativa às hipóteses de isenção da Lei 11.196/05. Na prática:
  1. a decisão unifica o entendimento de duas turmas de direito público do STJ:
  2. em outubro de 2016, a 2.ª Turma já havia adotado o mesmo entendimento ao julgar o Recurso Especial 1.469.478;
  3. que teve como relator para acórdão o ministro Mauro Campbell Marques.
De acordo com informações repassadas pelo STJ, o processo julgado na Primeira Turma, um casal vendeu a casa onde vivia em março de 2015 e, no mesmo mês, usou parte do dinheiro obtido para quitar dívida habitacional com a Caixa Econômica Federal. Entendendo fazer jus à isenção prevista em lei, o casal recolheu o IR incidente sobre o ganho de capital relativo à venda de imóvel apenas sobre os valores não usados para quitar o financiamento. O Tribunal Regional Federal da 3ª Região (TRF3) reconheceu ser válido o direito de não recolher IR sobre o lucro obtido na venda da casa própria, na parte usada para adquirir outro imóvel, conforme preceitua o artigo 39 da Lei 11.196/05. A Fazenda Nacional questionou a decisão, com base na restrição prevista na Instrução Normativa 599/05, da Secretaria da Receita Federal, que afirma que a isenção não se aplica ao caso de venda de imóvel para quitação de débito remanescente de aquisição de imóvel já possuído pelo alienante.

Instrução Normatiza da Receita tem “ilegalidade clara” segundo colegiado

Segundo a relatora do caso na Primeira Turma do STJ, ministra Regina Helena Costa, ao se comparar a Lei 11.196/05, conhecida como Lei do Bem, à instrução normativa da Receita Federal, fica clara a ilegalidade da restrição imposta pelo fisco ao afastar a isenção do IR para pagamento de saldo devedor de outro imóvel já possuído, ou cuja promessa de compra e venda já esteja celebrada. “Desse modo: I – o artigo 2º, parágrafo 11, inciso I, da Instrução Normativa SRF 599/05; II – ao restringir a fruição do incentivo fiscal com exigência de requisito não previsto em lei; III – afronta o artigo 39, parágrafo 2º, da Lei 11.196/05; IV – padecendo, portanto, de ilegalidade”, explicou. “O que fica claro na decisão é que a lei, feita pensando-se no fomento do mercado imobiliário, deve ser interpretada com mais abrangência, ou seja, de forma não limitada apenas à aquisição de um imóvel novo, como já era o entendimento do Fisco”, explica Paula Farias. Fonte:  Fabiane Ziolla Menezes, para a Gazeta do Povo  

Notícias
Relacionadas

Procob 05/10/2018

Eleições 2018: Vote Certo

Eleições 2018: Vote Certo Será neste domingo, 07 de Outubro de 2018 a eleição para os cargos de Presidente da República, 2 Senadores, [...]
Leia mais...

Procob 04/10/2018

Pendências Financeiras (Pefin) – O Que é?

Um serviço fornecido pela Serasa Experian, que localiza e informa pessoas físicas e jurídicas sobre dívidas não pagas. O que [...]
Leia mais...

Procob 27/09/2018

Mercadinhos Resistem As Grandes Redes

Mercadinhos Resistem 'As Grandes Redes - Brasil tem mais de 400 mil pequenos “mercadinhos”, que sobrevivem à entrada de grandes redes, como [...]
Leia mais...